Dia da Segurança e Saúde do Trabalho, a importância da atenção e cuidado consigo mesmo durante o exercício da profissão

0
294
views

Na sua opinião, a segurança e a saúde no trabalho é importante?
Pense novamente! A maioria não sabe responder, e entenda o porquê.

Hoje comemoramos no Brasil o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, e no mundo é comemorado Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho uma data que merece atenção pela seriedade e importância do tema, que muitas vezes é relegada ao esquecimento ou desinformação.

Para esta data especial, reunimos nossos profissionais da Segurança do Trabalho aqui da UNICA Corp para uma breve discussão sobre como é percebido a nossa saúde e a nossa segurança no mercado brasileiro.

Conheça nossa equipe:

 

Thiago Bernardo, técnico de Segurança do Trabalho
(thiago.bernardo@unicacorp.com.br)

 

 

Maurício Ferreira, Engenheiro de Segurança do Trabalho
(mauricio.ferreira@unicacorp.com.br)

 

 

Aliny Silveira, Auxiliar de Enfermagem do Trabalho
(aliny.silveira@unicacorp.com.br)

 

A rotina e a responsabilidade profissional na Segurança e Saúde do Trabalho

O cenário basicamente divide-se em duas metades: normas e pessoas. O técnico de segurança do trabalho precisa estar atendo e saber lidar com estes dois ambientes, entender e interpretar bem as leis, e uma comunicação eficiente para repassar as advertências e instruções para os funcionários.

Thiago: São muitas informações normativas e legais que compõe a nossa rotina, além de visitas nas unidades para atendimento e verificação de riscos. É uma área muito dinâmica. É um trabalho administrativo e operacional, porém muito mais operacional justamente pelo fato de estar junto as pessoas.

Maurício: O profissional prevencionista cuida da integridade física e saúde dos funcionários da empresa e aplica toda a legislação pertinente. Essa legislação consta desde a Constituição Federal (baixar em PDF), CLT (baixar em PDF), normas regulamentadoras, legislação previdenciária (baixar em PDF) e o Decreto estadual do corpo de bombeiros (baixar em PDF). Como aplicar toda essa legislação na empresa? Esse é o grande desafio!

Aliny: Como técnica na área da saúde nós cuidamos de todos os exames necessários e vamos além englobando palestras e informações referentes a saúde promovendo a conscientização tanto das mulheres quanto dos homens. É preciso engajamento dos funcionários para que haja o seu real interesse.

Equipe de Segurança e Saúde do Trabalho UNICA Corp. Da esq. para dir.: Maurício Ferreira, Aliny Silveira e Thiago Bernardo. Foto por Claudio Beck.

É difícil trabalhar a segurança e saúde do trabalho no Brasil?

M: Sem dúvida é difícil trabalhar este tema no Brasil porque somos encarados sempre como custo na operação das atividades. Para obter sucesso na profissão é preciso ter paixão pelo o que faz.

T: É uma área em que as pessoas só reparam depois que acontece um acidente. Enquanto está tudo bem, ninguém repara neste profissional. Há uma certa cegueira quanto a isso.

E na UNICA Corp?

T: Possuímos funcionários muito carentes de informação e dada o volume na quantidade de colaboradores, as vezes fica difícil que a informação chegue para todos, e de uma forma que fique fixada essa ideia para eles.São pessoas espalhadas em todo o Brasil e atualmente esta é a nossa maior dificuldade: alcançar todas essas pessoas com qualidade.

A: Com a nossa chegada na empresa, os funcionários estão aos poucos nos conhecendo.

T: A maioria dos funcionários, quando nos procuram, nos procuram para resolver problemas que já aconteceram. Geralmente não nos procuram antes a caráter de prevenção e acabam perdendo a oportunidade de perceber o quão rico em informações é a nossa área.

A: Hoje, estamos tendo uma certa dificuldade com os afastados. Existem informações que não constam ainda no nosso sistema, apenas diretamente com os funcionários. Esse tipo de informação é crucial para entender os afastamentos e prover aos supervisores e cordenadores uma estimativa de retorno ao trabalho dos afastados.

M: Um dos grandes desafios da UNICA é termos os funcionários de maneira pulverizada em todo o país o que dificulta o acesso a essas pessoas e passar a informação que elas mereçam ter. O que me motivou a vir trabalhar aqui na UNICA, embora existam todas as dificuldades, é que a empresa deseja fazer a gestão de segurança do trabalho. Isso mostra que existe uma grande oportunidade para expandir este trabalho aqui dentro.

A: Estarmos juntos desde esse início é muito bacana porque podemos crescer juntos e elaborar todo nosso conhecimento a favor da empresa. Uma das ideias seria criar um informativo da saúde. Por mais que estejamos impossibilitados de levar um palestrante até a ponta da operação, podemos entregar estes informativos periódicos. É uma maneira de mostrar que estamos presentes.

É comum as pessoas desrespeitarem a segurança no trabalho?

M: Num contexto geral, as empresas começam suas atividades e projetos para depois lembrarem da segurança. O correto é trabalhar de maneira preventiva, mas hoje, as empresas trabalham de maneira reativa.

T: Complementando esse pensamento, existe a parte operacional onde o planejamento não é respeitado, ou por vezes, nem o planejamento existe. Existem funcionários que tem dificuldade em usar os equipamentos de proteção e/ou obedecer os procedimentos de segurança dentro de suas áreas. Por isso é necessário que trabalhemos nos informativos, justamente para informar. Eu, particularmente, não gosto do termo “obrigação” porque as pessoas sentem um peso nas costas. Vamos então levar para o lado do respeito para com a sua saúde.

M: O profissional de segurança fica no meio entre o empregador e o empregado. Por isso precisamos trabalhar de forma diferenciada. Ao falar com o empregador, focamos no prejuízo e nos custos que pode vir a ter, já ao empregado, focamos como a não observância a essas regras pode vir a causar um dano a sua integridade física e como isso vai refletir em sua vida. A forma de se comunicar entre as partes, tem que ser diferenciada.

Sobre os programas de segurança do trabalho na empresa

T: Hoje nós temos o básico já implantado na empresa, mas queremos a partir disso criar campanhas para chamar atenção do pessoal para a segurança e a saúde do trabalho. Trabalhando em equipe, em conjunto, cada um com ideias, sempre somando, conseguiremos muitas coisas.

M: Nosso departamento jurídico já está alinhado sobre a necessidade de desenvolvermos um treinamento para os supervisores referente a responsabilidade civil e criminal que cada um responde por suas respectivas equipes. Se trabalharmos bem os supervisores, se eles estiverem bem informados e ambientados acerca das responsabilidades legais que recorrem sobre eles, fará com que eles cobrem e exijam mais de seus subordinados.

M: Da mesma forma, já estamos alinhando com a Selma, a responsável pelo departamento de qualidade, para desenvolvermos trabalhos juntos como os informativos de segurança, algo de forma abragente. É um projeto embrionário, mas já estamos discutindo estes pontos com os respectivos líderes.

T: O veículo que mais irá nos ajudar nisso é o departamento de marketing. Fazendo um escopo de tudo isso, como desejamos transmitir e passar a ideia para frente.

Como inovar na segurança do trabalho?

A: Na área da saúde, como não tínhamos nada focado em saúde, a inovação aqui seria trazer os funcionários para este tema. Por exemplo podemos chamar atenção para os assuntos tais como pressão arterial, primeiros socorros, diabetes, tabagismo, acredito que isso seria bem bacana, trazendo todo mundo junto e em palestras. Acidentes de trabalho englobam tanto a segurança quanto a saúde, são ideias que estão na minha cabeça e que precisamos amadurecer.

T: Até um tempo atrás nós fazíamos o Diálogo de Segurança, sempre com uma informação diferente, porém sempre ligado à segurança e a saúde, e as vezes até assuntos gerais. Eu gostaria que, hoje, isso voltasse, porque realmente é uma forma de você sempre estar ali, acendendo uma “luzinha”, lembrando o pessoal dessa importância. Mesmo conversando com outros colegas da área, vemos que isso dificilmente ocorre em outras empresas, e nós fazendo isso, começando aqui na área administrativa, os líderes levando isso para a área operacional é importante retomarmos, senão semanalmente, pelo menos uma vez a cada 15 dias, de forma que essa informação seja levada para a ponta, nas unidades por aí afora. Acredito que isso possa trazer um diferencial muito grande.

T: Na oportunidade de fazermos a orientação na unidades, eu gostaria de colher o depoimento dos funcionários. O que você ahca da informação? Acha que foi realmente útil? Trazemos estes depoimentos para cá, não somente a informação, mas de forma organizada, trazer as pessoas de fora, nossos funcionários, para assistir a palestras e treinamentos aqui na nossa sede.Existe a curiosidade e a vontade de nossos funcionários da ponta em conhecerem a nossa sede central, entenderem a empresa em que trabalham, sentirem-se parte da empresa.

M: Estamos ainda num patamar onde muito do que é obrigatório, a nossa empresa ainda nem fez. Devemos fazer primeiro a lição de casa e cumprir o que a legislação determina para então irmos além e fazermos o que as maiores empresas fazem. Agora, é lógico, podemos fazer o mínimo obrigatório utilizando-se de ideia inovadoras, como por exemplo: como dar o treinamento para essa equipe pulverizada? Utilizando-se aplicativos, usar a internet, usar toda a tecnologia disponível para que a informação chegue lá.

Um ponto sobre o risco ergonômico

A: Baseado em minha experiência, em se tratando de escritório, a forma de sentar, de mexer no computador, da postura, tudo isso gera riscos. Se pegarmos o nosso índice, muitas pessoas podem reclamam de dor nas pernas, nas costas, a ergonomista (profissional que cuida da ergonomia) existe para isso. Até comentei com o Thiago que poderíamos fazer a ginástica laboral antes de começarmos o trabalho maçante. Há diversas formas de se fazer a ginástica laboral, podemos fazer no começo, um pouquinho antes do final do expediente podemos fazer mais um pouco … o risco ergonômico pode resultar posteriormente em INSS, afastamento, dor nas costas, tendinite, que aliás é muito comum.

M: Resumidamente, ergonomia é a ciência do conforto. Na teoria essa ciência diz que o posto de trabalho deve ser adaptado ao homem e não o contrário. Existe toda uma área técnica envolvida na saúde, no conforto, na iluminação do local, na ventilação, na temperatura, no mobiliário, pensar no treinamento falando da postura, na forma correta de sentar e vários outros detalhes. Mas além disso, a ergonomia envolve também toda uma parte comportamental, como por exemplo o stress no trabalho.

M: Pude perceber que aqui na UNICA que temos um ambiente agradável, onde desde os diretores e gerentes estão todos sentados juntamente a suas equipes, o que demonstra que não há divisão e que se prega o valor a todos de forma igual. Tudo isso resulta numa tranquilidade maior para o funcionário trabalhar e isso é muito bom. Hoje, no Brasil, um dos maiores índices de afastamentos são por causa da ergonomia. Por exemplo: os bancários muitas vezes a grande maioria se afastam por problemas emocionais como stress, ansiedade, síndrome do pânico, devido ao grande stress aos quais são submetidos em seus postos de trabalho. Existe um estudo que aponta que entre 1 a 2 bancários, por ano, cometem suicídio devido ao stress no trabalho.

A: Achei muito legal a música que fica tocando na nossa área de café. Nunca entrei em uma empresa que tinha música no café, é a primeira vez. As nossas cadeiras são ótimas, gostei bastante, não gera nenhum desconforto. Há um estudo em que discuti com uma ergonomista que diz que não podemos ficar as 8 horas sentados. Claro que vamos ao banheiro, vamos beber água, e isso é importante não somente quando o corpo sente a necessidade de ir ao banheiro ou de ir buscar um copo dágua. A ergonomista diz que é interessante não termos a garrafinha na mesa, justamente para forçar que você levante para ir buscar a água.

M: O Thiago e a Aliny são meus pares de trabalho, então quando vamos tomar um café nós 3 juntos acabamos falando de assuntos diversos e depois voltamos ao assunto de trabalho novamente, mas só isso já faz sair do ambiente de mesa, cadeira, sentado, computador… Já fizemos reunião perto da árvore, nos banquinhos, porque torna mais leve o momento e toda a situação.

A: Muita coisa muda de uma empresa para outra. A forma de trabalhar aqui na UNICA é muito diferente, as pessoas são diferentes, você se torna um pouco ansioso para o serviço, o fato de se levantar e ir tomar um café, respirar um pouco, conversar, eu acho que isso já tira um pouco do peso.

T: Houve um boom de novas pessoas na empresa, então você sente que o pessoal quer se conhecer, quer falar, mas sente que ficam acanhados.

Uma equipe que trabalha para encantar todos os dias. Nossa equipe de técnicos da segurança e saúde do trabalho. Foto por Claudio Beck.

O que representa o dia da Segurança e Saúde do Trabalho?

T: Bom, primeira coisa: se temos o dia é porque representa a memória e a lembrança da importância da segurança do trabalho e da saúde para a nossa vida, não só profissional, mas pessoal também.Porque as vezes o pessoal fica só naquela questão: a segurança e a saúde está somente na parte profissional. Mas e na sua vida pessoal? A pessoa não se cuida também? A pessoa não pode se respeitar? Tem que se prevenir em todos os locais, não só no local de trabalho. Acho que é um dia importante para a consciência de cada um, por mais que o seu ambiente de trabalho seja bem tranquilo, bem sossegado, lá fora as coisas estãoa contecendo, ás vezes com algum conhecido, com um parente, enfim, e que nenhum ambiente está livre de um acidente. Todo e qualquer ambiente está exposto a acontecer algum acidente, algumas vezes inesperado, algumas vezes esperado. O pessoal as vezes confunde o acidente, uma fatlaidade, com algo previsível. As vezes tem algo que está tão previsto acontecer, que não pode se caracterizar como acidente porque todos sabiam que iria acontecer.

M: Colocar uma pessoa para trabalhar em altura sem treinamento, sem exame médico e sem equipamento de proteção individual. Aí a pessoa cai e chamam isso de acidente. Nem chega a ser acidente porque um acidente é algo inesperado. Neste caso é evidente que iria acontecer alguma coisa.

T: É óbvio que no dia a dia as pessoas vão deixar isso passar batido por justamente não pensar todos os dias em segurança. temos que aproveitar datas como esta para tocar na ferida de todo mundo e explicar que isso pode acontecer a todo momento, a cada minuto, a cada segundo, basta ter um segundinho de falta de atenção e você pode furar o dedo, cair, tropeçar, enfim, são coisas que poderiam de alguma forma ter evitado.

A: É um dia e um momento para a conscientização do trabalhador, não só para nós que somos da área, mas para o trabalhador também. As vezes o que acontece não é uma fatalidade, mas por falta de atenção, falta de interesse

M: É o dia para cada funcionário refletir no seu trabalho e nas suas atitudes. Nós temos no Brasil, algo em torno de 700 mil acidentes no trabalho por ano, cerca de 2.500 mortes no trabalho por ano, ou seja, é muita gente que sai pra trabalhar e por algum motivo, por algum acidente, por alguma situação, não voltou. São famílias que ficaram aguardando essas pessoas e que, de repente, tiveram uma notícia ruim. Cada empregado deveria nesse dia parar e refletir o que esta fazendo, quais as atitudes que ele faz que pode contribuir para que esses números continuem crescendo?

Assim encerramos essa conversa que foi muito proveitosa, ao lado destes três maravilhosos profissionais que integram a equipe de segurança e saúde do trabalho da UNICA Corp. Projetos e força de vontade são as sementes que eles estão plantando e todos nós da empresa iremos colher direta e indiretamente os frutos deste trabalho sério e complexo que é lidar com as normas e com as pessoas ao mesmo tempo.

Se você é um profissional da área de segurança e saúde do trabalho, saiba que a sua profissão é vital e de grande importância para todos a sua volta. O trabalho bem feito é invisível e poucos notam, até que seja tarde demais.

A UNICA Corp deseja um feliz dia da segurança e saúde do trabalho para todos os profissionais da área e que essa profissão seja valorizada e cresça a cada dia com inovação, novas soluções, novas práticas e novas maneiras de abordar o ser humano e de o proteger contra a ignorância e o despreparo.

 


 

Curtiu essa entrevista?

Hoje você conheceu um pouco mais dos nossos profissionais de segurança e saúde do trabalho. Mostre o seu amor, compartilhe esta página na sua rede social e ajude essas importantes informações chegarem ao máximo de pessoas. É interessante, é importante e é mutio útil.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here